Ortodontia

Ortodontia

0 que é Ortodontia?
Ortodontia é a especialidade da medicina dentária que estuda o crescimento e desenvolvimento da face, bem como o desenvolvimento das dentições  decídua (de leite), mista e permanente e seus desvios de normalidade, prevenindo, interceptando e corrigindo as maloclusões .

Em que idade deve ser realizada a primeira consulta ao ortodontista?
A partir dos 3 anos para avaliação da correta respiração, orientação sobre alimentação e, se necessário, desgastes de dentes para melhorar a mastigação sendo frequentemente necessário a utilização de aparelhos removíveis para correcção da oclusão(mordida).Entendemos que o melhor tratamento é a prevenção e  que toda anormalidade deve ser corrigida o mais precocemente possível.

0 clínico geral poderá fazer essa avaliação inicial e encaminhar o paciente se necessário?
Sim. 0 clínico geral ou o odontopediatra (dentista responsável pelo tratamento em crianças) normalmente está preparado para detectar alguma alteração da normalidade e encaminhar para uma avaliação ao ortodontista.

Quais os tipos de correcções realizadas?
0 ortodontista, actualmente, inicia seu tratamento com condutas mais simples, como a manutenção de espaços nos casos de perda prematura de dentes, corrigindo até casos mais complexos, como os tratamentos ortodônticos associados ao aumento ou diminuição cirúrgica dos maxilares.

Quando há necessidade de tratamento, quais os benefícios além da estética?
A função principal do tratamento ortodôntico é restabelecer e equilibrar a oclusão dentária (perfeita combinação dos dentes superiores e inferiores), que é fundamental para a correta mastigação e, consequentemente, adequada nutrição e saúde oral. Com o restabelecimento da oclusão, evitam-se problemas de respiração, deglutição, fala e das articulações temporomandibular.

O paciente adulto poderá submeter-se ao tratamento?
Sim. Não existe idade máxima para a realização de tratamento ortodôntico, embora no paciente adulto alguns cuidados especiais devam ser tomados, principalmente em relação aos tecidos de suporte dos dentes, que podem chegar a contra-indicar o tratamento. Este pode ser mais lento e limitado, devido a falta de crescimento, problemas periodontais, perdas de elementos dentários e maior comprometimento das estruturas dentárias devido a próteses ou restaurações extensas.

Quais são os tipos de aparelhos?
Os aparelhos podem ser divididos em dois grupos: o fixo e o removível. 0 aparelhos fixos são unidos aos dentes através de uma substância adesiva ou cimento; são compostos por bráquetes (metálicos, plásticos ou cerâmicos), tubos e anéis, que suportam o arco metálico responsável pela movimentação dentária. Permitem maior movimentação dos dentes e dependem menos da colaboração do paciente.
Já os aparelhos removíveis são encaixados na boca, podendo ser retirados pelo paciente ou pelo ortodontista, e dependem muito da colaboração do paciente. Podem ser ortodônticos, os quais realizam pequenas movimentações dentárias, ou ortopédicos, utilizados nas correcções esqueléticas (ósseas).

Quanto tempo demora em média o tratamento?
É difícil de se prever o tempo de um tratamento ortodôntico, pois este depende de vários factores, como respostas biológicas individuais, tipo de maloclusão, de aparelho utilizado e colaboração do paciente. Um tempo médio é de vinte e quatro a trinta meses de tratamento activo.

É doloroso?
No início, causa uma certa sensibilidade, principalmente na fase de colocação do aparelho. Após essa fase, existirá algum desconforto de  24 a 48 horas após os ajustes.

Existe algum risco no tratamento?
Não, desde que este siga todas as instruções dadas, principalmente no aspecto de higiene oral, pois os detritos podem causar problemas gengivais, periodontais, manchas brancas ou, mesmo, cáries dentárias.

Se os pais possuem má posição dos dentes, o mesmo pode ocorrer com os filhos?
Sim. A genética é um factor prepoderante mas há outros factores mais  actuantes  como respiração bucal, sucção prolongada de dedo ou chupeta, deglutição atípica, anomalias dentais, além dos alimentos actuais(macios e húmidos) não estimularem uma mastigação vigorosa impedindo um correto desenvolvimento dos maxilares.